Como funciona o recrutamento às cegas na empresa do rapper Emicida

Como funciona o recrutamento às cegas na empresa do rapper Emicida.

Flash

Sem tempo para ler? Clique no play abaixo para ouvir esse conteúdo.

Desde 2009, quando nasceu, a Laboratório Fantasma traz em seu DNA ideias de diversidade e geração de renda para a população periférica. Ao longo dos anos, essas premissas guiaram os projetos e nortearam as escolhas que transformaram a empresa criada e comandada pelo rapper Emicida e seu irmão Evandro Fióti rapidamente em um sucesso.

Se no início ainda faltava estrutura para firmar de maneira consistente e aprofundada essas bandeiras no departamento de Recursos Humanos, há três anos a empresa criou o LAB Recruta, projeto inovador com o intuito de eliminar de seus processos seletivos vieses inconscientemente discriminatórios e que foi um dos finalistas do prêmio Think Work Flash Innovations, realizado em agosto pela Think Work e patrocinado pela Flash.

Quer conhecer todos os projetos do prêmio? Baixe aqui o e-book de práticas completo!

Uma das apostas do projeto de recrutamento - que você confere o passo a passo mais adiante - é iniciar o processo de seleção em uma ambiente totalmente online, no qual os candidatos não precisam revelar sua identidade e podem passar, inclusive, por uma entrevista por áudio no WhatsApp, garantindo mais imparcialidade.

"O segmento cultural sempre esteve abandonado pelo Estado brasileiro, sobretudo quando se refere à cultura negra. Nesse sentido, a Lab Fantasma foi pioneira em unir valores da cultura hip-hop aliados à gestão, com o objetivo de derrubar estigmas e preconceitos contra pessoas negras, periféricas e de grupos sub-representados", celebra Evandro Fióti, vice-presidente da Lab, que conta hoje com 38 colaboradores diretos, acrescentando que o objetivo do LAB Recruta é construir um time de fato diverso e plural.

“Para contribuir com nossa missão de impacto positivo e transformação da sociedade através da arte, da música e da cultura negra”, afirma.

O início do LAB Recruta

À frente dessa transformação também está Aline Silva, gerente da área de gente e gestão da empresa. Ela chegou à Lab em 2018 e ajudou a implementar o LAB Recruta no ano seguinte.

O projeto era uma resposta a uma percepção que a empresa tinha de que muitos candidatos que poderiam agregar acabavam não sendo vistos ao longo do recrutamento. "Utilizávamos outras plataformas de inteligência artificial e até contratamos uma empresa especializada em hunting, porém o resultado sempre acabava por trazer candidatos que se destacavam por características técnicas ou por seus privilégios, sem a diversidade que gostaríamos de promover”, afirma Aline.

A saída, então, foi mudar o processo. A ideia era avaliar as pessoas por seu perfil e habilidades. Quando, ao final de uma entrevista, um candidato agradeceu pelo tratamento e se autodeclarou LGBTQIAPN+, Aline percebeu a importância do que estavam fazendo. "Ele disse que se sentia feliz em poder assumir isso sem medo de ser discriminado ou eliminado do processo seletivo pelos motivos errados. Aquilo me tocou muito.”

Tecnologia e práticas inovadoras no LAB Recruta

Na estruturação do projeto, além de investimento, entraram novas tecnologias. Em parceria com a Talent Brand, a Lab construiu a própria plataforma de carreiras, priorizando o desejo de ter um processo mais humanizado e sem viés discriminatório.

Como isso acontece na prática? Muitas etapas do recrutamento são realizadas online, sem que a identidade do candidato seja revelada para tornar a jornada mais igualitária e diversa.

Confira a seguir todas as etapas do processo:

As etapas do processo de seleção do LAB Recruta:

1. Definição do perfil do candidato: este desenho é importante para ter clareza de quem a empresa busca no mercado. Com essas informações claras, há uma adequação da linguagem ao seu público-alvo, fornecendo recursos de audiodescrição e libras para tornar ainda mais inclusiva essa divulgação

2. Adequação da comunicação: há uma preocupação com a linguagem tanto na página de talentos, como na descrição da vaga e em todos os meios de comunicação para que haja conexão com os candidatos. Não apenas para atrair os perfis que desejam, mas para que os candidatos possam conhecer melhor os valores e princípios da Lab.

3. Recrutamento: ocorre através do banco de talentos (pessoas que já demonstraram interesse em trabalhar na empresa) ou da inscrição direta para a vaga. Ao se cadastrar na plataforma, o candidato preenche um questionário de autodeclaração, o que ajuda a filtrar os perfis de acordo com recortes pré-estabelecidos para aquela vaga.

4. Triagem: o processo de recrutamento se inicia sem que a identidade do candidato seja revelada. A ideia é encorajar o aumento da diversidade e reduzir os casos de preconceito durante a seleção. Informações dos candidatos como foto, localidade, instituição de formação, entre outras, ficam ocultas.

5. Entrevista via áudio de WhatsApp: em algumas vagas, após a etapa de triagem, os perfis selecionados são convidados para uma entrevista via áudio de WhatsApp. "O candidato consegue nos contar a sua história, seus principais desafios e suas experiências de vida. Esse método desconsidera dados que estão fora de contexto, garantindo assim a imparcialidade", conta Aline.

Quando há testes práticos, o candidato é avaliado em situações do dia a dia, já que os critérios de avaliação se baseiam em habilidades técnicas, fit cultural e habilidades interpessoais e subjetivas, como soft skills.

Os resultados para toda a Lab Fantasma

Funcionários felizes de um lado, empresa satisfeita de outro. De acordo com Aline, passados três anos da implementação do LAB Recruta, já é possível enxergar resultados do investimento irradiando por todas as áreas da empresa. Confira abaixo:

Qualitativos

Ter equipes mais diversas e com diferentes contextos de vida ajuda na solução de problemas complexos e desafios que surgem no dia a dia a partir de diferentes visões de mundo;

Com os times multidisciplinares, há maior produtividade e inovação, trazendo novas ideias e negócios que sejam positivos não apenas para a empresa, mas para o público em geral;

Melhora no clima organizacional e ausência de incidências trabalhistas. Os colaboradores apresentam alto grau de fidelização e resolução de conflitos, além do desejo de desenvolvimento a longo prazo;

Comunicação mais assertiva e humana com os profissionais. "Quando recebi o aceite, chorei de alegria e, desde o onboarding, todo o processo de adaptação e tudo o que veio depois só reforçou minha admiração pelo propósito da empresa. Hoje, me sinto parte de uma família”, afirma Regina de Paulo Santana, a Nina, 26 anos, analista de planejamento estratégico na Lab há pouco mais de um ano.

Quantitativos

  • Turnover de 1%;
  • 50% do time composto por grupos raciais (autodeclarados pretos, pardos e indígenas);
  • Quadro de colaboradores composto 50% por homens e 50% por mulheres;
  • 50 % da liderança composta por mulheres;
  • Aumentar ainda mais a diversidade segue no radar.

"Queremos recrutar 70% de pessoas de grupos identitários (mulheres trans e cis, pessoas LGBTQI+ e indígenas, entre outros)", afirma Aline.

ENTRE EM CONTATO

Preencha o formulário e venha ser Flash

Agende uma demonstração e conheça o lado rosa da gestão de benefícios, pessoas e despesas.

Business

20 mil

empresas

Smile

1 milhão

usuários

Premium

5 bilhões

transicionados

Centralize sua gestão de benefícios, pessoas e despesas corporativas em um só lugar

Descubra nossas soluções

Não enviaremos Spam ✌️