Mais estratégico e capaz de gerir incertezas: empresas esperam novo perfil do CFO

O papel do CFO hoje é muito mais conectado à estratégia do que há alguns anos. Entenda essa evolução e o que as empresas buscam nesse profissional hoje.

Flash

Não faz muito tempo, o papel dos CFOs (sigla em inglês para Chief Financial Officers) dentro das empresas era restrito a rotinas burocráticas, como controle de fluxo de caixa e dar conta da papelada tributária.

Porém, em meio ao cenário de ascensão da tecnologia e mudanças cada vez mais constantes na sociedade e nas organizações, o CFO também tem evoluído para atuar de forma mais estratégica e próximo das decisões de negócio das empresas.

Com essa mudança no escopo de trabalho, esse profissional é convocado a ter uma visão holística da companhia e interagir com as mais diversas áreas da empresa, principalmente tecnologia.

"Quando comecei na área financeira, o CFO era visto como um provedor de números. As interações com outras áreas de negócios eram bem episódicas. Hoje sinto que é uma função que está próximo de todas as áreas do negócio. Em empresas do setor financeiro, por exemplo, esse envolvimento se dá até no desenho do produto", destaca Ademar Bandeira, CFO da Flash.

Para entender qual é, então, o novo papel do CFO que as empresas esperam desse profissional, o blog da Flash conversou com especialistas e líderes do departamento financeiro. O resultado, você confere neste artigo. Continue a leitura!

Mas o que faz um CFO?

Se fôssemos definir em uma frase o papel do CFO, poderíamos dizer que a principal função desse profissional é liderar a gestão financeira da empresa. Isso envolve tanto missões de curto quanto de longo prazo.

"No curto, são aspectos relacionados a papéis operacionais, como gestão do time e produção de métricas e indicadores”, diz Fernando Trota, CEO da Triven, consultoria que realiza alocação de CFOs para startups.

Já os objetivos de longo prazo são aqueles ligados à gestão de incertezas, quando o CFO fica responsável pela dura tarefa de criar planos que respondam rápido a crises ou mudanças econômicas.

“Esse é um papel importante no contexto atual, de bastante incerteza e mudanças. No final, o CFO precisa manter um olhar sobre como preservar a empresa saudável em um futuro que ninguém sabe dizer qual será”, afirma Trota.

Além disso, é claro, a lista de tarefas de um Chief Financial Officer varia de acordo com fatores específicos de cada tipo de negócio, como tamanho e o mercado em que a empresa está inserida.

Segundo uma pesquisa da McKinsey, que ouviu 151 executivos líderes do setor financeiro, sendo 60 no Brasil, outras atividades comuns da rotina desses profissionais são:

  • Gestão de custos do negócio;
  • Precificação;
  • Decisões sobre a alocação de capital.

A área também é responsável por uma série de missões que vêm sendo facilitadas por tecnologias, como a gestão de contas a pagar e receber.

LEIA TAMBÉM: Análise de indicadores financeiros: o que é, como fazer e guia gratuito

O que o mercado espera hoje do CFO

 

Imagem não encontrada

 

Nos dias atuais, quando o CFO assume um papel mais estratégico dentro das organizações, a lista de atividades a que esse profissional precisa se dedicar vem crescendo.

Para Bandeira, CFO da Flash, nos últimos 20 anos, a área financeira passou por três grandes fases: na primeira, a função era fechar o resultado, explicar e projetar o próximo ciclo.

Com a automação de muitas áreas, iniciou-se uma segunda fase, mais estratégica, mas ainda muito focada em indicadores financeiros, como o EVA (Valor Agregado) e o ROI (Retorno sobre investimento).

"Hoje, o CFO segue aumentando seu peso estratégico, até por entender que a necessidade de cada negócio é diferente e que, portanto, métricas e indicadores também devem se adaptar”, afirma Bandeira.

Os números comprovam que, de fato, os CFOs estão ascendendo para esse papel mais estratégico dentro das organizações.

Segundo a mesma pesquisa da McKinsey, a interação entre CFOs e CEOs brasileiros aumentaram 67% no último. Globalmente, esse número foi de 49%.

Em meio ao cenário econômico mais desafiador e as taxas de juros mais altas, custos e a produtividade do negócio ganharam mais espaço e 64% das interações dos executivos foram para tratar do tema.

A transformação organizacional, que também está na pauta dos executivos de RH, foi o terceiro assunto mais discutido com um aumento de 54% de trocas sobre ele.

“Muitos CEOs costumam ter um viés maior para a área comercial. Então, é muito positivo que exista essa troca, essa soma de olhares. A área financeira pode trazer uma visão complementar abordando pontos que, muitas vezes, não seriam considerados”, diz Daniel Ghovatto, CFO da empresa de venda de ingressos Eventim.

CFO e o papel de "fiador" da empresa

Não é só dentro das empresas que a função de Chief Financial Officer ganhou mais destaque. Por ter uma visão ampla do negócio, esses executivos têm sido chamados a estabelecer uma relação cada vez mais próxima também com investidores.

“Tradicionalmente, uma das grandes responsabilidades do CFO é a produção e a análise dos resultados da empresa. Foi isso que levou esse executivo a ser chamado a ter voz cada vez mais ativa nas discussões sobre governança”, afirma Trota, da Triven.

Um bom exemplo desse protagonismo é o caso das Americanas. Em meio à crise que impacta a companhia desde janeiro de 2023, quando foram apontadas inconsistências contábeis no balanço da empresa, os investidores pressionaram para que a nomeação de um novo CFO acontecesse mais rapidamente do que a escolha do CEO.

“Costumo dizer que o CFO é um fiador da estabilidade da empresa. Ele tem a missão de garantir a rentabilidade do negócio e, por isso, é para quem o mercado olha com muita atenção”, diz Bandeira, da Flash.

“Assim como numa instabilidade os investidores cobram a escolha de um executivo em quem confiem, quando tudo parece ir bem e é noticiada a saída repentina de um CFO, o mercado acende o sinal amarelo”, finaliza o executivo.

Os desafios dos CFOs atuais

Bandeira, Ghovatto e Trota sentem os impactos das mudanças do papel de CFO em suas rotinas. Abaixo, alguns dos pontos que eles destacaram sobre os novos desafios que fazem parte do dia a dia dos executivos da área:

  • Impacto da tecnologia

Como em muitos outros departamentos, a tecnologia e a automação também têm estado na pauta dos CFOs. De acordo com um estudo feito pelo Insper, em parceria com a empresa de recrutamento Assetz, 47% dos diretores financeiros dizem que olhar para a área de TI da empresa agora é uma das suas responsabilidades.

Apesar disso, a pesquisa da McKinsey indicou que a digitalização no setor ainda é baixa e está consolidada apenas nas tarefas mais operacionais. Missões como planejamentos anuais, previsão de receita e gestão de estoque são algumas que continuam manuais e podem se beneficiar da implementação de novos sistemas.

Ghovatto, da Eventim, concorda que a tecnologia é uma importante aliada do departamento financeiro, mas o executivo salienta que as empresas devem estar maduras para automatizar seus processos.

“Os sistemas estão à frente do que a capacidade de implementação na maioria dos negócios. Se você digitaliza um processo que não está bem amarrado, isso só vai acelerar e ampliar os erros já cometidos. É preciso garantir a otimização dos processos em conjunto com a entrada da tecnologia — não trocar de um pelo outro”, afirma.

 

  • Visão de longo prazo e capacidade de gerir incertezas

De acordo com o levantamento da McKinsey, os CFOs brasileiros já estão mais dedicados a tarefas de longo prazo em comparação a executivos de outros países. Segundo Trota, a explicação por trás desse dado está relacionada ao histórico do mercado brasileiro.

“Como sempre fomos um país de muita instabilidade, a parte operacional é onde mais se evoluiu, para dar conta desse cenário complexo. Com isso já bem consolidado, o CFO pode se dedicar a outras questões que terão impacto no futuro”, diz.

Bandeira destaca, ainda, um outro ponto relevante na atuação do CFO: “Quando as coisas não vão bem, o CFO deve focar naquilo que vai ter resultado de curto prazo. Enquanto nos momentos mais tranquilos é possível se aprofundar sobre questões mais estruturantes.”

Leia mais

 

ENTRE EM CONTATO

Preencha o formulário e venha ser Flash

Agende uma demonstração e conheça o lado rosa da gestão de benefícios, pessoas e despesas.

Business

20 mil

empresas

Smile

1 milhão

usuários

Premium

5 bilhões

transicionados

Centralize sua gestão de benefícios, pessoas e despesas corporativas em um só lugar

Descubra nossas soluções

Não enviaremos Spam ✌️