"Empresas e funcionários devem se unir em prol da saúde mental", diz Izabella Camargo

Após ser diagnosticada com burnout, a jornalista Izabella Camargo passou a abordar a importância da saúde mental dentro das organizações

Flash

Em 2018, a jornalista Izabella Camargo virou notícia. Teve um apagão ao vivo durante um telejornal que apresentava na TV Globo. Diagnosticada com síndrome de Burnout, tirou licença para tratar e entender o que era o problema do qual pouco se falava à época.

Ao voltar, após dois meses e 15 dias, foi desligada pela emissora. No mês que marca a campanha Setembro Amarelo, dedicada à prevenção ao suicídio Flash conversou com exclusividade com Izabella sobre a importância da prevenção de doenças de saúde mental no ambiente de trabalho e suas impressões sobre como o tema vem sendo discutido nas empresas, especialmente no pós-pandemia.

Desde o episódio do apagão, Izabella passou a se aprofundar no tema da saúde mental e sua relação com o ambiente corporativo. Lançou um livro, "Dá um Tempo! Como Encontrar Limite em um Mundo sem Limites", e criou o movimento de produtividade sustentável, em que defende que tanto empresas quanto profissionais têm responsabilidades, que devem ser baseadas em regras claras, para prevenir doenças de saúde mental nas corporações. Hoje, roda o Brasil prestando serviços a empresas de todos os tamanhos preocupadas com os crescentes índices de estresse, potencializado pela pandemia, entre seus profissionais.

O estudo "People at Work 2022: a Global Workforce View", do instituto de pesquisa ADP, que avaliou a doença em todos os continentes, indica que, no Brasil, 27% dos trabalhadores se sentem estressados todo dia, principalmente após a pandemia e a carga extra que ela trouxe. Segundo o relatório, problemas de saúde mental estão impactando 51% dos profissionais na América Latina, sendo o Brasil o líder do ranking em trabalhadores mais afetados: 54%, seguido por Chile (49%) e Argentina (38%). Por aqui, 21% dos funcionários dizem que seus empregadores nada fazem para promover ações positivas relacionadas à saúde mental no trabalho.

Confira abaixo a entrevista com a jornalista:

Como se deu sua trajetória até se tornar ativista da saúde mental? Você se vê dessa forma?

Eu me considero uma promotora do autocuidado, e isso é para todos, não importa classe social, sexo ou idade. A promoção do autocuidado é para mim o caminho de falarmos a mesma língua entre CNPJs e CPFs, porque a gente vai se negligenciando e terceirizando a responsabilidade da nossa saúde para as empresas em que estamos. Mas existem responsabilidades da empresa e responsabilidades de cada um.

Eu comecei a trabalhar muito cedo, aos 13 anos. Quando fui para São Paulo [ela é do interior do Paraná], aos 16 anos, tinha acabado de participar de um concurso do Miss Brasil. Fui dar uma entrevista e acabei ficando como bailarina no SBT. No jornalismo, comecei a trabalhar com rádio, só depois fui para o hard news[jornalismo diário] como apresentadora do Band News TV, passei pela Band, até chegar à Globo.

Fui sempre fazendo o que me pediam e cumprindo horários. E a profissão de jornalista vive sob muita pressão de horário. E não pode errar, assim como outras profissões, como médicos, policiais. Existem algumas profissões em que erros não colocam em risco a vida de outras pessoas, no caso do jornalismo é diferente. Então eu fui trabalhando bastante nessa minha jornada de mais de 20 anos na comunicação. Passei pelas principais emissoras de rádio e TV.

Quando eu cheguei à Rede Globo, um lugar que eu entendia que era "o" lugar, no melhor momento da minha carreira, eu tive um apagão ao vivo, a síndrome de Burnout.


Sabemos que seu momento atual tem relação com episódios de estresse e Burnout. No entanto, você poderia ter procurado um tratamento, se curado e seguir fazendo outra coisa.

Depois do diagnóstico, eu saí de licença médica por dois meses e 15 dias. Quando voltei, fui dispensada sem justa causa no mesmo dia do retorno. É evidente que isso me deixou triste, como deixaria qualquer pessoa. Ao buscar respostas para mim, porque pouquíssimo se falava sobre o assunto, e pela projeção do caso, não por mim, mas pela empresa em que eu trabalhava, muitas pessoas começaram a me procurar, se reconhecendo nos sintomas.

Enfim, eu, como jornalista, sempre fui me aprofundando naquilo que as empresas onde eu estava me davam para fazer. Com esse episódio relacionado à minha saúde, entendi que estava na hora de escolher um caminho na comunicação. Isso acaba acontecendo em muitos setores. Quem tem mais habilidades para economia se torna um jornalista especialista em economia, outros em esporte, então a minha especialidade em saúde corporativa nasceu com esse episódio. A minha jornada de transformação começou em 2018, a partir de um fato que, no primeiro momento, foi muito negativo, mas que depois me trouxe uma possibilidade de aprofundamento em um assunto de que pouco se falava.

E se tornou um propósito de vida e um novo trabalho de certa forma, não?

Eu continuo jornalista. Hoje eu apresento na rádio Bandeirantes um jornal bem cedinho, mas essa é a menor parcela do meu trabalho para a sociedade. A minha maior contribuição é o que eu faço em promoção de saúde para empresas e pessoas. Porque acredito em uma mudança que todos nós estamos vivendo e que, se não formos juntos, ninguém chega a lugar nenhum.

Depois das minhas experiências, eu criei um movimento chamado produtividade sustentável. Como vamos alcançar os nossos objetivos, os nossos números, nossas metas, sem perdas e prejuízos pelo caminho. E tenho tido muito êxito com essa comunicação em empresas de todos os tamanhos, que já perceberam que é super possível ajustar alguns processos, algumas dinâmicas. E prevenir muitos problemas.

Estamos no mês do Setembro Amarelo e a preocupação com o Burnout e a saúde mental dos funcionários é algo que ganha espaço no RH. Sente que isso se intensificou especialmente depois da pandemia?

A preocupação em relação à prevenção do Burnout e outros problemas de saúde pós-pandemia está entrando pela porta da frente. Assuntos que antes eram muito velados e iam pelas portas dos fundos. Assim como no passado nós tivemos muita gente defendendo os EPIs, os equipamentos de proteção individual físicos, porque eles não eram tão evidentes e obrigatórios, agora ninguém mais questiona o uso de capacete, sapatos e proteções físicas para evitar acidentes físicos. Hoje eu trabalho com esse movimento para a criação de EPIs para saúde mental, e a gente vai prevenir não só o Burnout, vamos prevenir absenteísmo e o presenteísmo, que na minha opinião é o pior que existe, porque você está colocando em risco muitas operações com um funcionário que não poderia estar ali, mas está, com medo do que vai acontecer se ele falar a verdade.

E onde você enxerga o Brasil nesta discussão, estamos tendo avanços?

O Brasil, assim como outros países, tem seus movimentos, então algumas empresas já despertaram, outras não. Algumas empresas, inclusive com as quais eu trabalho, grandes adoecedoras de funcionários no passado, hoje já começaram os seus movimentos. Acontece que cultura a gente muda a médio e longo prazo, mas o indivíduo precisa de mudanças a curto prazo, por isso a chamada para essa autorresponsabilidade é fundamental. Não adianta nada a pessoa trabalhar em uma empresa que está transformando a cultura, mas continuar com comportamentos tóxicos.

Você pode se aprofundar um pouco nesta ideia da produtividade sustentável e no que ela significa tanto para empresas quanto para funcionários?

Este movimento eu criei depois de muita pesquisa, com a minha experiência e de ter entrevistado mais de 4.000 pessoas que viveram o que eu vivi. Eu entendi que eu estava em um estilo de vida insustentável, e aí eu me dei conta do quanto a palavra sustentabilidade está ao nosso redor. Das latas de lixo até as embalagens de xampu. E aí eu pensei "todo mundo fala em sustentabilidade, quer o mundo sustentável. Mas a forma como vivemos é sustentável por quanto tempo?". E aí veio o insight de trazer esse nome para a produtividade, porque todo mundo quer ser produtivo, mas de forma sustentável é hoje o que eu levanto como bandeira. Todos nós nos sentimos muito bem quando somos úteis, produtivos, mas esse sentimento vai contra nós quando há um desequilíbrio entre a paixão pela entrega e o que você faz por você. Por isso vem o autocuidado, e a gente vai negligenciando o autocuidado em detrimento dessa grande paixão, desse nosso amor pelo trabalho.


Embora a discussão e a preocupação com o Burnout já tenham chegado ao mundo corporativo, sabe-se que há muitas empresas (e até funcionários) que ainda cultivam a ideia de que produtividade é sinônimo de trabalhar muitas horas até o esgotamento.

Tem uma frase que eu gosto muito que é "a gente precisa aprender a desacelerar para continuar em movimento". Quando você está dirigindo, e o painel do carro indica que o combustível está acabando, se você não parar para abastecer, se você tiver excesso de confiança e achar que vai chegar, é uma escolha sua, mas muitas vezes a gente acaba ficando pelo caminho, não é? Com a saúde é a mesma coisa. Então, trabalhar muitas horas, glamourizar quem fica até mais tarde, quem atende o WhatsApp de madrugada, é um comportamento corporativo muito tóxico que, se a gente não estancar, vai produzir mais vítimas.

Quando a pessoa se entrega ao trabalho como vício, acreditando que aquilo vai trazer meritocracia, vai trazer retornos financeiros e reconhecimento, ela não está fazendo isso porque ela quer fazer mais e melhor do que todo mundo. Para ela, é natural fazer mais, abrir mão das férias ou do fim de semana para trabalhar, porque a gente vive em um contexto que prega isso. O meu chamado com a produtividade sustentável é "se você quiser fazer isso, pode fazer, mas é importante que você saiba que haverá consequências".

De que maneira o descanso e os cuidados com a saúde mental impactam positivamente as duas pontas?

Um dos pilares da produtividade sustentável é a atualização de identidade para a gente reconhecer que, com o passar do tempo, você não pode manter certos comportamentos que na juventude você mantinha e não traziam tantas consequências. Com o passar do tempo trazem porque, na medida em que o tempo passa, as responsabilidades aumentam, o seu metabolismo também muda, então a gente só precisa ajustar um pouquinho alguns comportamentos e hábitos. E aí, em relação às empresas, regras claras ou regras de ouro, como eu vejo em algumas onde presto serviço. É levar realmente a sério os horários de reunião e definir critérios de excepcionalidade. Porque se eu tenho que marcar reunião fora do horário que está combinado todo dia, já não é uma exceção, já se tornou uma regra. Então precisamos de regras claras para definir os limites.

Para mim, só os limites garantem a liberdade. Só com regras muito claras, com combinados, com contratos de tempo bem definidos, como eu falo no meu livro, é que a gente vai realmente produzir sem prejuízos tanto para as empresas quanto para os funcionários.

Quando a empresa está disposta a olhar para a saúde mental dos funcionários, o que é essencial?

Todas as ações de serviços de uma empresa só funcionarão se elas estiverem em um ambiente de segurança psicológica, em que não basta só oferecer o serviço para o funcionário, tem que ter uma comunicação clara de que isso não vai ser usado contra ele.

De volta ao tema do Setembro Amarelo, quando pensamos no ambiente corporativo, para além das grandes ações que as empresas podem promover, no dia a dia, como você diria que líderes e colegas de trabalho podem se ajudar na prevenção de doenças mentais?

Qualquer mudança brusca de comportamento é sinal de alerta. O que é isso? Uma pessoa que começa a ficar mais agressiva, mais irritada. Isso é motivo de acolhimento, nós só vamos resolver todos os problemas que nós falamos até aqui com o diálogo. Aí conseguimos ver onde está o vazamento para fazer o conserto do telhado, entende? As medidas práticas são regras de ouro. Como eu disse, só os limites garantem a liberdade, não só a empresa precisa criar, os funcionários precisam praticar.

E quando pensamos em gente que é autônoma ou mesmo naqueles que trabalham em home office, como cuidar para não extrapolar nas horas de trabalho? Um relatório recente da Microsoft, por exemplo, mostrou que as reuniões virtuais fora do horário de trabalho ou aos finais de semana aumentaram após a pandemia. Que tipo de medidas práticas e simples podem ajudar?

Eu converso com muitos empreendedores sobre Burnout. Eles me procuram dizendo "Izabella, mas sou eu quem faço meu horário!". Exatamente, o medo de perder oportunidades faz com que muitos profissionais autônomos respondam fora de hora ou se coloquem em situações de risco, então é autorresponsabilidade, cada um sabe o limite que tem, por isso a atualização de identidade que eu proponho é fundamental. Para você reconhecer quais são suas habilidades hoje e não as do passado, porque a grande origem do adoecimento hoje é você querer fazer coisas de uma agenda do presente com as características que você tinha no passado.

Se gostou do conteúdo, continue no site da Flash para saber mais sobre as nossas soluções flexíveis!

ENTRE EM CONTATO

Preencha o formulário e venha ser Flash

Agende uma demonstração e conheça o lado rosa da gestão de benefícios, pessoas e despesas.

Business

20 mil

empresas

Smile

1 milhão

usuários

Premium

5 bilhões

transicionados

Centralize sua gestão de benefícios, pessoas e despesas corporativas em um só lugar

Descubra nossas soluções

Não enviaremos Spam ✌️