Deixe seu trabalho mais simples com a Flash

Fale com um especialista

Saúde mental da mulher, maternidade e a idealização corporativa

Descubra como é e o que pode ser feito para conciliar a saúde mental da mulher e a maternidade no ambiente corporativo.

Flash

A conexão entre saúde mental da mulher e maternidade é profundamente significativa. Falar mais sobre essa temática é crucial, apesar de sua natureza delicada e das diversas etiquetas associadas. Esse artigo tem como objetivo permitir que um número maior de mulheres seja escutada e entendida, assim como ampliar o acesso à informação.




Contrariando a idealização da maternidade frequentemente retratada em tons idílicos pela sociedade, a realidade materna é entremeada de desafios, incluindo exaustão, dúvidas e inseguranças. Discutir abertamente essas questões não só é válido, mas necessário.

Além disso, é vital que tais adversidades sejam validadas em todos os segmentos sociais, com especial atenção ao ambiente corporativo, reconhecendo a importância da saúde mental da mulher no trabalho, particularmente durante e após o período do pós-parto.

A aceitação e o apoio aos problemas de saúde mental, como transtornos de ansiedade ou transtornos alimentares, são essenciais.

Encorajar a procura por ajuda profissional pode ser um passo significativo para enfrentar as realidades da maternidade, combatendo o estresse crônico e promovendo uma discussão aberta sobre temas como violência de gênero, que também impactam a saúde mental das mulheres.

A idealização da maternidade e o estigma da saúde mental materna

A idealização da maternidade frequentemente contrasta com a realidade da saúde mental materna, um aspecto vital que enfrenta estigmatização.

Ser mãe é celebrado como um grande privilégio para as mulheres que escolhem esse caminho, contudo, a realidade diverge das cenas idealizadas por filmes e sonhos, exigindo adaptações significativas e impactando profundamente a saúde mental no trabalho.

A prevalência de condições como a depressão pós-parto é alarmante, afetando uma em cada quatro mães, conforme aponta o Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente.

Essa estatística sublinha a urgência de derrubar os preconceitos em torno dos problemas de saúde mental materna e de reforçar a rede de apoio.

O puerpério e os aspectos emocionais da recém-mãe

Com o nascimento do bebê, a mulher também se redescobre como mãe, particularmente aquelas que estão embarcando nesta jornada pela primeira vez.

Elas enfrentam numerosos desafios, não apenas no que tange aos cuidados com o bebê, mas também em relação às expectativas de retomar sua forma física e às demandas profissionais, fatores que podem impactar significativamente sua saúde mental.

Nessa fase, é essencial intensificar o suporte à saúde mental da mulher, reconhecendo que a mãe, tal como o bebê, necessita de atenção prioritária.

É crucial fornecer um ambiente acolhedor para assegurar que este período se desenvolva de maneira saudável, sem acréscimo de estresse ou complicações.

Importante ressaltar que o foco aqui não está apenas nas variações hormonais, mas nas amplas transformações vivenciadas pelo corpo feminino ao longo da gestação e do parto. Esse período exige um acompanhamento atento por parte de amigos, familiares e, quando necessário, por profissionais especializados em saúde mental.

O medo das mães de colocar a carreira profissional de lado

A introdução de inúmeras mudanças no dia a dia, incluindo o cuidado com a saúde do filho, a amamentação e a reorganização de uma rotina, traz consigo a preocupação das mulheres de terem que negligenciar outras esferas da vida, particularmente a carreira profissional.

Um estudo conduzido pela Workana em 2018 revelou que aproximadamente 50% das mães brasileiras conciliam o trabalho com o cuidado dos filhos. Essa dualidade de responsabilidades, com a expectativa de desempenhar ambos os papéis à perfeição, pode ser uma fonte significativa de estresse, contribuindo para o surgimento de problemas de saúde mental, incluindo ansiedade, depressão e a síndrome de burnout.

Retenção de mulheres pós-licença maternidade

De acordo com estatísticas da Fundação Getúlio Vargas, em torno de 50% das mulheres optam por sair ou são dispensadas de seus postos de trabalho dentro de um ano e meio seguindo o período de licença maternidade. O desafio de encontrar um equilíbrio saudável entre responsabilidades profissionais e saúde mental é uma barreira considerável, levando muitas a interromper ou mesmo abandonar suas trajetórias profissionais.

O esforço para equilibrar esses dois aspectos na vida de uma mulher é monumental, e não deve recair unicamente sobre as mães.

Parceiros, familiares e os empregadores destas mulheres são fundamentais para permitir que as mulheres continuem suas carreiras. Paralelamente, é imperativo que as empresas proporcionem recursos adequados para apoiar esse equilíbrio, incluindo benefícios adaptados às suas necessidades.

Proporcionar benefícios flexíveis, como suporte à saúde, auxílio-creche, vale-alimentação e refeição, além de incentivos ao bem-estar, são maneiras eficazes de zelar pela saúde mental, física e financeira das funcionárias que são mães.

O RH é responsável por escolher benefícios que verdadeiramente atendam essas necessidades, auxiliando-as a gerir suas responsabilidades domésticas e seu crescimento profissional.

Inclusão da maternidade como experiência profissional

Para além dos benefícios convencionais, é essencial destacar iniciativas pioneiras como a implementada pelo LinkedIn, que valoriza todas as vertentes do trabalho.

Com a nova funcionalidade, a plataforma empodera as usuárias ao permitir que incluam funções como “dona de casa” e “cuidador doméstico” nas descrições de suas experiências de trabalho. Esta mudança é um marco importante, reconhecendo oficialmente o imenso valor e as habilidades desenvolvidas através da maternidade e dos cuidados domésticos.

A ação do LinkedIn serve como um farol progressista, iluminando o caminho para uma maior apreciação do trabalho materno e cuidador, que por muito tempo ficou invisibilizado no contexto profissional.

Ao fazer isso, não apenas eleva a estima profissional das mães, mas também encoraja um diálogo mais aberto e respeitoso sobre a maternidade em espaços tradicionalmente voltados para o mundo corporativo. Essa iniciativa visa desfazer estigmas e promover um entendimento mais profundo de que a experiência parental traz competências valiosas para o ambiente de trabalho.

Esta inovação reflete um movimento maior em direção à valorização da integração da vida pessoal e profissional, reconhecendo a importância de todas as formas de trabalho e o impacto significativo que a maternidade tem no desenvolvimento de habilidades transversais e competências de liderança.

Se você deseja explorar mais sobre como a tecnologia e as novas políticas corporativas estão transformando o ambiente de trabalho para mães e cuidadores, conheça a Flash e descubra as nossas soluções flexíveis e inovadoras.

ENTRE EM CONTATO

Preencha o formulário e venha ser Flash

Agende uma demonstração e conheça o lado rosa da gestão de benefícios, pessoas e despesas.

Business

20 mil

empresas

Smile

1 milhão

usuários

Premium

5 bilhões

transicionados

Centralize sua gestão de benefícios, pessoas e despesas corporativas em um só lugar

icon-form

Descubra nossas soluções

Não enviaremos Spam ✌️