O que são férias indenizadas? Entenda como calcular e fazer o pagamento corretamente

Entenda o conceito de férias indenizadas e aprenda a fazer o cálculo corretamente para evitar problemas trabalhistas.

Flash

Bem-vindos ao mundo dinâmico da gestão de Recursos Humanos (RH), onde cada aspecto do emprego desempenha um papel vital na saúde e sucesso de uma organização. Um desses aspectos, frequentemente envolto em dúvidas e complexidades, é o das férias indenizadas.

Embora pareça simples à primeira vista, o conceito de férias indenizadas apresenta uma série de nuances que podem ser desafiadoras. Desde entender as leis trabalhistas até calcular a remuneração adequada, entre diversos outros fatores.

Este conteúdo é projetado para esclarecer todas as suas dúvidas. Se você é um especialista em RH buscando atualizar seus conhecimentos sobre a gestão de férias, ou alguém novo na área procurando construir uma base sólida, este artigo oferece insights valiosos e práticos.

Acompanhe a leitura.

O que são férias indenizadas?

São chamadas de férias indenizadas os períodos de descanso a que o trabalhador teria direito, mas que não foram gozados por conta da rescisão de seu contrato. O valor precisa ser pago quando o contrato do funcionário é finalizado por qualquer razão, como uma demissão, com ou sem justa causa, ou pedido de desligamento pelo próprio colaborador.

Quais são os principais tipos de férias indenizadas?

É preciso, ainda, compreender que existem três tipos de férias indenizadas. Tratam-se das modalidades a seguir relacionadas.

Simples

As férias indenizadas simples são aquelas que o colaborador já poderia ter gozado, mas ainda não o fez. No momento da indenização, portanto, ele precisa receber em dinheiro os 30 dias de folga a que tem direito.

Proporcional

As férias proporcionais são aquelas pagas quando o colaborador ainda não completou um ano de empresa. Ao sair da empresa, portanto, esse indivíduo deve ser pago de forma proporcional pelos dias de folga a que tem direito no período.

Em dobro

As férias em dobro devem ser pagas quando o colaborador não tira férias há mais de um ano. Quando isso acontece, o funcionário que está se desligando da empresa precisa ser remunerado em dobro, ou seja, como se tivesse 60 dias para gozar de descanso.

Como fazer o cálculo das férias indenizadas?

O cálculo das férias indenizadas varia de acordo com o tipo. Vamos imaginar três situações:

Maria é contratada por uma empresa no dia 3 de abril e sua demissão aconteceu no dia 10 de abril do ano seguinte. Se o salário da colaboradora for de R$1.500, basta multiplicar esse valor por 1,3, que é equivalente ao 1/3 sobre férias que os trabalhadores têm direito. De tal forma, ela deverá receber R$1.950.

Já Joaquim foi contratado em 3 de abril e demitido em setembro do mesmo ano. Como ficou só 5 meses na empresa, o cálculo a ser feito deve ser proporcional. Se o salário também for de R$1.500, ficaria assim: R$1.500 x 5/12 x 1,3 = R$812,50.

Por sua vez, Cristiane foi contratada em maio de 2017 e demitida em maio de 2019, sem nunca ter gozado férias. Considerando o mesmo salário dos colegas, o cálculo realizado deve ser: R$1.500 x 2 x 1,3 = R$3.900.

Os cálculos para férias indenizadas são bastante simples, mas é preciso ter controle sobre os dias trabalhados para que não ocorram erros ao realizá-lo. As empresas precisam fazer isso corretamente para evitar problemas, como os processos trabalhistas.

ENTRE EM CONTATO

Preencha o formulário e venha ser Flash

Agende uma demonstração e conheça o lado rosa da gestão de benefícios, pessoas e despesas.

Business

20 mil

empresas

Smile

1 milhão

usuários

Premium

5 bilhões

transicionados

Centralize sua gestão de benefícios, pessoas e despesas corporativas em um só lugar

Descubra nossas soluções

Não enviaremos Spam ✌️