Deixe seu trabalho mais simples com a Flash

Fale com um especialista

Mad skills: tudo o que o RH precisa saber sobre as habilidades “excepcionais”

Conheça as mad skills, as habilidades excepcionais adquiridas por meio de hobbies, que turbinam a performance e o ambiente organizacional.

Flash

Há alguns anos, Mário Custódio, diretor da área de recrutamento executivo da Robert Half, recebeu um pedido inusitado de um cliente: selecionar candidatos que praticassem algum esporte para ocupar uma vaga no setor de vendas da empresa.

De acordo com o executivo, o raciocínio do empresário era simples: quem faz esporte tem um lado competitivo, quer se superar e se sentir bem quando sua performance melhora. Logo, esse comportamento acaba sendo interessante para a área comercial.

O empresário acreditava que valorizar a vivência do futuro colaborador no esporte poderia trazer vantagens para o seu negócio. Mal sabia ele que seu pensamento estava alinhado a uma tendência que tem chamado a atenção dos RHs: as mad skills.

O que são mad skills?

Em alta no Brasil, o conceito surgiu em meados da década passada no Vale do Silício, a região dos Estados Unidos com a maior concentração de startups e conhecida por ser o berço das empresas de tecnologia.

Na prática, as mad skills dizem respeito às habilidades originais, ou excepcionais, que uma pessoa desenvolve ao longo de sua vida, longe do ambiente profissional, e que ajudam a moldar seu modo de ser e de agir. Inclusive profissionalmente. Podem ser relacionadas, por exemplo, à prática regular de um esporte, ao hábito de pintar ou à dedicação à jardinagem.

“Normalmente quem gosta de tocar um instrumento musical costuma se frustrar quando não consegue executar uma parte de uma música, por isso, precisa bastante até chegar ao objetivo. Essa mesma consistência pode ajudar no trabalho”, afirma Mário Custódio.

Voltando ao exemplo do esporte, Custódio afirma: “Pessoas que participam de competições esportivas, por mais simples que seja uma partida, aprendem a ganhar, a aceitar a derrota e a analisar o que poderia ter feito de diferente. Isso vai trazer mais foco, determinação e persistência”, afirma.

E, embora seja muito comum associar mad skills aos hobbies, essas habilidades também podem ser adquiridas a partir de outras experiências que uma pessoa adquiriu ao longo da vida, como ter morado fora do país ou superado algum obstáculo.

No final, o que importa é como essas situações ampliaram a capacidade cognitiva e o potencial daquele indivíduo o que, indiretamente, contribui para a sua performance profissional.

Mário também ressalta que nem sempre quem tem um hobbie vai desenvolver uma mad skill. Isso porque tudo vai depender de como essa pessoa leva o que aprendeu com essa atividade para outras áreas da sua vida.

“Precisa ser algo que moldou uma habilidade especial, que será revertida em um comportamento genuíno. Não é simplesmente dizer que toca guitarra: é como isso se traduz no dia a dia, nas suas atitudes”, afirma o especialista.

Por que as mad skills se tornaram importantes?

A valorização dos hobbies na vida profissional não é algo exatamente novo, porém, o que as empresas estão percebendo é que além de potencializar a performance do colaborador, valorizar as mad skills pode também melhorar o ambiente de trabalho, afirma o executivo da Robert Half.

“Acredito que passou-se a entender que quem tem interesses fora do trabalho, procura fazer atividades que o preencham, tende a estar melhor consigo mesmo. Tem a ver com qualidade de vida”, diz Mário Custódio.

Para o executivo, esse crescente interesse é resultado do esforço dos profissionais de RH em tornar o trabalho um ambiente mais humano e da importância que a saúde mental ganhou dentro das empresas, aliado à chegada da geração Z ao mercado.

“É comum ouvir que antigamente o profissional trabalhava e se aposentava na mesma empresa. Ou, ainda, que quem não trabalhava 15 horas não era bem visto. O fato é que as pessoas começaram a valorizar outras coisas, para além do trabalho”, diz.

Com a colaboração do diretor da Robert Half, respondemos abaixo as principais dúvidas relacionadas às mad skills. Confira:

1. Exemplos de mad skills

Como estamos falando de habilidades conquistadas em experiências vividas nas horas vagas, essas competências podem ser adquiridas com a prática de um hobby, esporte ou, ainda, durante o enfrentamento de uma situação singular.

Esportes: atletas, no geral, tendem a ser disciplinados, mas cada atividade esportiva está relacionada a um conjunto específico de mad skills. Enquanto quem pratica futebol desenvolve espírito de equipe e competitividade, uma pessoa que faz alpinismo precisa ter determinação e concentração.

Artes: de modo geral, quem se dedica a alguma modalidade artística ou de artesanato expande seu lado criativo. Os que preferem o teatro tendem a falar bem em público e precisam praticar o improviso. Se o hobby for pintura, a pessoa desenvolverá bom senso estético, capacidade de observação e foco, por exemplo.

Experiências singulares: no processo de superação de situações desafiadoras, dificuldades extremas, preconceitos ou até mesmo doenças, uma pessoa desenvolve recursos próprios que a tornam única e que podem fornecer um olhar diferenciado para situações de trabalho.

2. Como identificar as mad skills

Para o executivo, ao perguntar se a pessoa gosta de fazer alguma coisa específica fora do trabalho, é preciso tentar fazer conexões entre a resposta e o que a empresa está buscando.

Um exemplo pode ser explorar os motivos pelos quais o candidato se interessou por aquela atividade e o que especificamente dá a ele mais prazer ou mais realização quando está dedicando seu tempo àquilo.

“Uma pessoa que tem como hobby a jardinagem precisa ter paciência, delicadeza e até um pouco de planejamento. Já quando se trata das experiências de vida, deve-se levar em conta a maneira como se lidou e lida com a situação”, diz.

“Por exemplo, uma mãe precisa equilibrar muitos pratos para poder dar conta do recado, mesmo quem possui uma boa condição de vida. Talvez esta seja uma das experiências mais desafiadoras, porque é preciso ter altíssima resiliência, paciência, disciplina e até liderança”, completa.

3. Entendendo as diferenças entre hard skills, soft skills e mad skills

Enquanto as hard skills são o conjunto de conhecimentos técnicos (e treináveis) de um profissional, as soft skills estão ligadas ao comportamento, à personalidade. São as habilidades sócio-emocionais de um indivíduo. Uma pessoa pode ser extrovertida, colaborativa, ter senso de liderança. Essas são suas soft skills.

“As mad skills muitas vezes estão interligadas às soft skills. Por exemplo, o esporte coletivo pode ajudar alguém a se desenvolver como líder ou como profissional que sabe trabalhar em equipe. Por outro lado, uma atividade individual pode ajudar a ser uma pessoa mais focada, persistente, mais tolerante ao erro”, afirma Mário Custódio.

4. Como o RH pode valorizar as mad skills

De acordo com o diretor da Robert Half, as habilidades extraordinárias podem ter mais ou menos peso, vai depender da empresa, do setor, da ocupação e até da cultura da organização.

Para algumas áreas, ser focado e introspectivo pode ser mais interessante, mas para setores em que é preciso construir relacionamentos, ter facilidade de comunicação tende a ser um diferencial.

Mad skills não é o que vai definir se a pessoa vai ser aprovada ou não para um processo seletivo nem se vai ser promovida para uma posição interna dentro da empresa. Mas elas podem trazer vantagem competitiva”, afirma Mário Custódio.

Mas o fato de se tratar de uma atividade ou vivência que a pessoa realiza fora do trabalho também exige prestar atenção a alguns limites. Para evitar entrar em aspectos muito particulares, a dica é o RH adotar uma abordagem neutra focando no que a pessoa gosta de fazer ou valoriza.

“Pelo sim, pelo não, eu evitaria abordar questões como religião e orientação política. Até sobre o time de futebol da pessoa. Fazer um trabalho voluntário dentro de uma atividade religiosa é uma coisa, e inclusive é algo bem visto. Mas não interessa saber qual é a religião da pessoa só por saber”, completa Custódio.

Continue a navegar no blog da Flash

ENTRE EM CONTATO

Preencha o formulário e venha ser Flash

Agende uma demonstração e conheça o lado rosa da gestão de benefícios, pessoas e despesas.

Business

20 mil

empresas

Smile

1 milhão

usuários

Premium

5 bilhões

transicionados

Centralize sua gestão de benefícios, pessoas e despesas corporativas em um só lugar

icon-form

Descubra nossas soluções

Não enviaremos Spam ✌️